advert 1
advert 2
advert 3
E Jesus morreu por que Imprimir

“...mas onde o pecado abundou, superabundou a graça” (Rom. 5:20).

 

Esta semana acompanhei algumas cenas de uma novela muito conhecida que está nos seus últimos capítulos num conhecido canal de televisão. No desenrolar dos fatos, de guerras entre famílias e de maldades ao extremo - como a de vários assassinatos - inclui-se a de um padre. Nesse drama de pura maldade e pouca compaixão, de invejas, traições, segredos e mentiras, encontramos um homem cansado de seus pecados. Um homem perseguido pelo remorso das suas atrocidades cometidas contra gente inocente, que decide por um fim a tudo isso e vai confessar suas pesadas culpas a um sacerdote.

 

Depois de ouvir atentamente a cada detalhe dos atinos cometidos por aquela pobre alma escravizada por satanás, o sacerdote decide acusa-lo ainda mais, dizendo-lhe que este seria o preço que agora teria que pagar. Sugeriu-lhe que se entregasse a polícia para pagar pelos seus crimes, mas, espiritualmente o condenou a carregar as suas culpas pelo resto da vida, e nem fez menção de orar e chorar com ele.

 

Como ministros do evangelho, temos a obrigação de mostrar até aos piores pecadores que procuram a Deus, que Cristo morreu pelos nossos pecados, sejam eles quais forem. Nenhuma alma que se arrepende deve ser desprezada. Foi justamente por esse motivo que Deus enviou o seu único Filho para que morresse por nossos pecados, e que alcançássemos o perdão através dele.

 

Para que serve afinal a igreja? Se uma pessoa desesperada por perdão não o encontra nem dentro dela, diante de seus ministros? Que triste condição do ser humano se Deus é apresentado igualzinho ao homem. Confesso que fiquei bastante preocupado pelo ensino religioso completamente desvirtuado da verdade do evangelho, e que está sendo passado para milhões de pessoas através da televisão.

 

Não basta ser bom, precisa ser perdoado e lavado no sangue do Cordeiro.